gente sempre me salva. 

as pessoas com suas existências sempre furam minha bolha instantaneamente, rasgando meu autocentramento e me trazendo de volta pro momento presente, onde a vida realmente tá acontecendo. 

como aquele dia que a moça do açougue me salvou. estava toda fechada por dentro, pós-choro, lembro dos meus músculos da face estarem tão duros que eu talvez não me reconhecesse se me visse no espelho. eu estava péssima, envolvida demais por problemas que só existiram na minha mente. quando ela espontaneamente me contou uma história e da raiva que sentiu, e de uma maneira tão engraçada, me disse que às vezes ''somos'' tão ruins que as lágrimas nem vem pra amenizar a emoção. eu ri. ela me ganhou. meu dia foi salvo, graças a uma pessoa que só tava precisando falar ou distraidamente contava um caso a alguém que estava disposto a ouvir. eu deixei ela falar, eu olhei pra ela, de verdade, e vi o que ela realmente era. um ser humano. que maravilhosa. fiquei muito grata.   

todas as vezes que me sinto apertada, presa, asfixiada pelas pertubações mentais tolas e que somem se a gente esperar só um pouquinho, são sempre as outras pessoas que me lembram que o mundo gira independente de eu existir, sorrir, suspirar, chorar ou morrer. as pessoas simplesmente continuam vivendo. 

tá todo mundo meio sufocado com algum fechamento interno, buracos que não fazemos ideia de como e onde foram criados, e elas seguem simplesmente servindo o seu copo, te entregando o alimento que você comprou, colocando a gasolina no seu carro parado no posto, respondendo ao bom dia que você deu, respondendo que horas são, pedindo licença para passar, acenando com a cabeça quando entram no mesmo aposento que você. tá todo mundo buscando um jeito de existir. sem dor ou com a dor. e nesses momentos eu me sinto muito pequena, como uma célula que faz parte de todo um corpo que tem infinitas células. uma estrela. pronto. me sinto uma estrela. aliás, não, melhor: um grão de areia.  

me lembrar de que cada coração humano está buscando a felicidade e evitando o sofrimento é como subitamente respirar pela primeira vez com consciência. ufa, me lembrei de porque existo. ou ainda, é assim que também existo. eu existo para existir de verdade e experienciar todas as coisas que gente de verdade experiencia, e então junto com elas encontrar um caminho de verdadeira felicidade. com certeza não é uma estrada que se trilha sozinha. me lembrar que cada pessoa é como um galho que se retorce para ser acariciado pelo sol, me deixa grata por ser gente.   

'ser gentil é tratar todo mundo como gente' 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Calma, miga, é só um boy

Do caos a lama

Sobre as coisas que sinto quando lembro do seu abraço