Love is a losing game

ontem foi um daqueles dias em que todas as músicas de Amy Winehouse pareciam revelar meu coração

eu quase me senti invadida,

Amy quem te contou tanto sobre mim?

foi como sentir aquela frustração pesada e ao mesmo tempo sorrir muito pelo alento que as canções me deram

todo mundo já teve suas esperanças moídas como grãos de café

e o resultado a gente ja sabe:

é aquela coisa fabulosa

que depois a gente bebe mesmo quente demais, mesmo excessivamente amargo, mesmo corroendo o estômago

é tão reconfortante saber que todos os bares que eu irei no verão estarão repletos de corações como o meu está:

gritando o nome de alguém que jamais virá dividir aquela cerveja

e então vamos poder dividi-la, todos nós carentes anônimos, quem sabe desanonimando-nos após trocas  de olhares

e então todos os outros vorazes se unirão também,

todos querendo lamber cada segundo da vida tão intensamente quanto for possível

 apesar do mundo ser esse moinho inescrupuloso

e vamos todos nos dar conta de que não tem nada fora do lugar, está tudo na cadência perfeita da existência humana

tudo, meu bem, advinhe? perfeito.


my tears dry on their own

e eu me debruçarei inteira e presente sobre qualquer amurada que me mostre o namoro do mar com o céu, sentindo a brisa bagunçar meu cabelo e tocar minha pele que com certeza vai ter aquela coloração vermelha de quando o sol me beija sem pudor,

mas você não, mas você nada

e não é no porto da barra que eu agora admiro

que pena

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Calma, miga, é só um boy

Do caos a lama

Sobre as coisas que sinto quando lembro do seu abraço